A Elegância e Os segredos Da Mulher Francesa – Resenha

9788561618582

Acabei de ler A Elegância e Os Segredos da Mulher Francesa, de Helena Frith Powell, gente na boa… comprei esse livro esperando um guia de estilo ou no mínimo um divertido relato de costumes… Havia pesquisado bastante na internet e só havia lido críticas positivas, então aproveitei a black Friday e comprei: puro arrependimento!

Tem um ou outro momento e dica bacana, de resto a autora oscila entre admiração deslumbrada pelas francesas e até ranço. Em alguns momentos elas parecem as mulheres mais independentes do mundo e em outro as mais machistas, já que não seriam amigas de outras mulheres e vivem para seduzir os homens.

Olha, não é bem por aí. Eu tive o prazer de ir para a França algumas vezes e ficar um período relativamente longo lá, e tenho muitos amigos franceses e amigas também! E posso dizer que em relação às relações pessoais as francesas são muito parecidas conosco. São mais tímidas no início da amizade, mas em pouco tempo você já tem uma amiga para a vida. Elas são sim mais chiques do que a maioria das mulheres dos outros lugares: andam de salto gigantesco naquelas ruas de paralelepípedos e de bicicleta, com uma elegância de passarela. Mas não se maquiam para tudo, como a autora sem noção tenta induzir. Acredito, que a visão da autora inglesa se deva ao fato de ela estar em um nicho de senhoras ricas do interior, uma absoluta minoria na França, país de classe média.

Aliás o mais bacana das francesas, que eu inclusive que achei que ia encontrar no livro é o capricho displicente do look: elas são bem simples no geral em make e acessórios, mas abusam em originalidade.

Outra coisa sem noção do livro é a autora falar que as francesas tem horror a modificação do corpo pela maternidade e mente dados aos dizer que a maioria das francesas preferem cesárea. Em uma pesquisa rápida se encontra na internet o número de cesárias na França: 1 em cada cinco, ou seja 20%, enquanto no Brasil esse número é de 52% por cento!!!!  Elas sabem que o parto normal faz com que a mulher se recupere muito mais rápido e inclusive na sua forma!

Bom, para concluir eu digo, se você quer um livro de estilo sobre as francesas, eu recomendo A Parisiense, da Inés de La Fressange, muito mais realista e amplo, e olha que Inés era top model, mas diferente da autora inglesa, ela buscou de fato uma identidade nacional daquilo que fazem as francesas diferentes e não se focou apenas no mundinho de clube do livro de mamães milionárias entediadas da autora inglesa.

Fuja de a “A Elegância e Os Segredos da Mulher Francesa”, puro lixo literário, dinheiro jogado fora!

Livro: A Parisiense

 Salut les filles, estes dias comprei um livro super bacaninha, chama A Parisiense da Inés de la Fressange, uma empresária, escritora e modelo francesa.

O livro é um guia de estilo para quem curte le mode de vie de las parisiennes, eu que sou “pouco”  fã de tudo que é francês rsrs, comprei na hora!

Inés de la Fressange foi modelo da Chanel por mais de uma década!

Eu concordo com algumas coisas e de outras eu discordo super, até porque tenho meu próprio ponto de vista sobre a França também, pelas pessoas que eu conheço de lá e etc, mas assim olhando por cima posso tirar super liçõezinhas do livro:

 – A parisiense não usa todos os acessórios de uma vez. Fato, você vê muitas meninas sem brinco e com um anel enorme na mão ou o contrário: com brinco super estilosos e nada nas mãos. Elas centralizam a jóias em um ponto, ao contrário dos homens parisienses que amam por colares e pulseiras masculinos juntos (adorooo).

– Guarda tudo em caixas. Fato também, nunca vi um povo gostar tanto de caixa: é caixa de remédios, de make, de chá, de chocolates, de meias, de roupas intimas, de lembranças, rsrsrs, enfim é para otimizar espaços. Eles também não costumam ter coisas em excesso, mas adoram um bom bibelô ou lembrança exótica de viagem.

A modelos das fotos no livro é a filha mais velha de Inés: Nine.

– Uma bolsa para cada tipo de ocasião e só, tipo a bolsa de sair à noite, a bolsa de praia, a bolsa de trabalho e a bolsa de passeios à tarde.

– Cheap and chique colega! Um item de marca com outro de barraquinha de rua, pouco importa a marca, o que importa é o equilíbrio do look e se ele tem a ver com sua personalidade.

– Hidratar a pele e manter as unhas curtas e bem feitas. Nada de unhas do Zé do caixão, são bregas e temíveis. Mas, olha o bom senso, não corte a unha na cutícula rsrsr, mantenha em um comprimento que chegue nas pontas dos dedos: elegante e asseada.

-Para tomara-que-caia, sutiãs sem alça, e para regatas não há problemas em mostrar o sutiã: bem mais charmoso do que usar sutiã de alça transparente ou sutiã tomara-que-caia que vai marcar super!

– Usar sutiã sempreeeee!

– Dica de biquini: a parisiense se depila como brasileira mas não usa o biquini da carioca. Quem entendeu, ok rsrs.

– Sapatos que tem que ter: um par de sapatilhas, rasteirinhas, botas de montaria, salto preto e tênis.

Adorei que ela dá dica de que as parisienses amam buscar grifes criativas e acessíveis e fala de boas peças na rede Monoprix (ano passado comprei peças muito legais no de La Rochelle).

Um bom guarda-roupa deve ter peças baratas, de viagens e uma ou outra de luxo, sem ostentar preço.

O livro é ótimo, funciona bem como guia de estilo e até como decoração e guia de compras em Paris. Favor não seguir como uma bíblia até porque a maior verdade de La Fressange é que podemos ser nossa própria estilista e desenvolver o nosso estilo, e isto cabe inclusive para discordar do livro.

Minha impressão sobre as parisienses é que elas são chiquérrimas, práticas, racionais, delicadas, reservadas e conseguem andar de salto pelas ruas porque lá não tem ladeiras como as de São Paulo rsrs, ela são econômicas e não tem a menor vergonha de dizer isto.

 O livro de Inés de la Fressange é uma ótima para presentear as amigas, uma professora querida ou a si mesma!

Bisous!